Jesus é o novo Adão e Maria, a nova Eva, afirma o papa

Do Ne10

Segundo Bento XVI, Jesus e Maria venceram o mal ao qual Adão e Eva sucumbiram

“Jesus, o novo Adão”, e “Maria, a nova Eva” venceram o mal ao qual essas imagens bíblicas do Gênese sucumbiram. Com essas palavras, Bento XVI definiu o Cristo e sua mãe, por ocasião da festa de Assunção de Nossa Senhora ao Céu, nesta segunda-feira (15), em Castel Gandolfo.

Dirigindo-se a centenas de peregrinos aglomerados no pátio de sua residência de verão, a 25 km de Roma, o papa, que parecia em boa forma física, apesar dos 84 anos, comentou o Apocalipse e “a luta entre o bem e o mal, simbolizada por uma Mulher, vestida de sol, isto é, de Deus, contra o dragão.

Na passagem do Apocalipse evocada, São João trata justamente da luta do Dragão vermelho contra a Mulher, obrigada a fugir para o deserto por causa da perseguição que sofre.

Joseph Ratzinger, falando sobre o pecado original de Adão e Eva, descrito no livro do Gênese, destacou que se “nossos ancestrais tivessem sido vencidos pelo Maligno, no final dos tempos, Jesus, como novo Adão, e Maria, como a nova Eva, venceriam definitivamente o inimigo”.

O papa lembrou que a festa da Assunção – que celebra a subida ao céu da Virgem Maria – é comum aos cristãos do Ocidente e do Oriente.

Tem “suas raízes na fé dos primeiros séculos da Igreja”, embora tenha sido o Papa Pio XII que proclamou o dogma, em 1950, destacou.

Antes, ao celebrar a missa na igreja San Tommaso de Castel Gandolfo, ele declarou: “as coisas de Deus merecem pressa. São as únicas do mundo que merecem isso, porque as coisas de Deus têm uma verdadeira urgência em nossa vida”.

Nota Pr Artur Eduardo: Vários posicionamentos heréticos podem ser vistos aqui:
a) Em nenhum lugar da Bíblia está escrito que “Maria foi assunta aos céus”, uma crença que surge no século XIX e é sancionada por Pio XII como dogma, no século XX.

b) A interpretação do Apocalipse 12 feita pelos católicos é essencialmente errada e não condiz com o testemunho histórico.
No capítulo referido, João tem uma visão: ele vê uma “mulher vestida de sol e com a lua sob os pés, rodeada por 12 estrelas sobre a cabeça”. Esta tradicional imagem, evocada pelos católicos continuamente como Maria, mãe de Jesus, não condiz com clássica interpretação do texto. Esta “mulher”, após dar a luz um menino que “regerá as nações com cetro de ferro” (Jesus) e ver seu filho ser “levado aos céus” (por ocasião da assunção de Cristo, documentada nos Evangelhos e em Atos dos Apóstolos), é perseguida pelo dragão (que ficamos sabendo, no Livro do Apocalipse, ser satanás). O diabo tenta de todas as formas destruir a “mulher” que, pela lógica histórica e textual, figura um povo, ou seja, o próprio Israel. “Jesusalém” é evocada n vezes no Apocalipse, como símbolo da redenção final do Israel de Deus, no fim do livro, tida como “a cidade santa”. A “Jerusalém celestial” – uma evocação clara no Livro do Apocalipse – contrasta com outra cidade, corrupta, desumana, um local de depravação espiritual que é simbolizada por outra mulher, “Babilônia”, que aparece “montada sobre uma besta (animal) de 7 cabeças”. Estas cabeças são 7 reis e 7 montes, nos informa o Apocalipse (16-18), numa clara alusão à Roma imperial, fortemente anticristã nos dia em que João escrevera o Apocalipse (Roma é rodeada por 7 montes e era conhecida como “a cidade das 7 colinas”). A lógica textual sugere que a mulher, perseguida pelo diabo (que inclusive abre a boca e da mesma sai “um rio” com águas furiosas contra a mulher, que é salva miraculosamente), é Israel, com as 12 estrelas simbolizando as 12 tribos que formam o povo. “Águas”, nos é dito no livro, simbolizam “tribos, povos, nações”, o que claramente nos remete à hitória de Israel e de todo o sofrimento e perseguições que o povo judeu tem sofrido ao longo destes 2 mil anos. É conveniente, contudo, manter para um imenso público leigo a idéia de que Maria é mais exaltada do que parece, na Bíblia, uma vez que o catolicismo (fundado pelo imperador Theodósio, em 380 d.C.) foi, desde o início, uma confusa mistura de misticismo e idolatria pagã das religiões romana e as esotéricas que existiam na época dos apóstolos e preceitos do próprio cristianismo.

Sobre ibrpe

De bem com a vida.
Esse post foi publicado em Notícias e marcado , , . Guardar link permanente.

3 respostas para Jesus é o novo Adão e Maria, a nova Eva, afirma o papa

  1. Domicio Felix disse:

    Não se olvide que o corpo da ressureição é diferente do corpo de carne. O corpo da ressurreição é o perispirito, este ressucita e corpo de carne não ressucita.

  2. É muito curioso dizer que os católicos estão errados, quando a própria bíblia foi compilada pelos católicos.Os protestantes pegaram-na de lambuja, deturparam-na e cortaram alguns livros ao seu bel-prazer.É por isso que vcs se dividem em pequenas igrejas e seitas, pq não entendem que todos necessitamos ser um (Jo 17,24)

  3. Carlos disse:

    “Se eles saíram de nós, era para provar que não eram dos nossos”…
    Sou leigo, mas creio que em alguma parte da Bíblia isto está escrito, ou isto também não está claro e precisa ser interpretado?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s