Silas Malafaia e o fracasso da venda de indulgências modernas

Do Blog Renato Vargens

Ricardo Feltrin, Colunista do UOL publicou uma matéria afirmando que o pastor Silas Malafaia fracassou no objetivo de levantar R$ 1 Bilhão.

Segundo Malafaia, o dinheiro arrecadado seria empregado em evangelização em todo o mundo e manutenção de programas de TV em pelo menos 140 países. Malafaia batizou o plano de “Clube de 1 milhão de Almas”. Cada fiel que aceitasse colaborar teria de doar R$ 1 mil.

Por causa do plano, o pastor recebeu severas críticas de setores não só da Assembleia de Deus, mas também de outras linhas evangélicas.

Quatro meses depois de lançado o plano, ele resulta em fracasso numérico e financeiro. Até esta terça-feira, 3 de agosto, nem mesmo 5.000 pessoas aderiram ao programa, embora o pastor esteja fazendo propaganda ostensiva em horários que adquire na TV e no rádio.

Segundo Feltrin se prosseguir na atual toada, o pastor levará 330 anos para completar o milhão de almas. O acordo que ele disse ter fechado para exibir programas em outros países seria válido apenas para este ano.

O “sócio” de Malafaia na empreitada é Mike Murdock, que é pregador conhecido como ferrenho defensor da teologia da prosperidade –aquela que, grosso modo, prega que o fiel cristão pode obter ganhos financeiros e materiais única e exclusivamente através de sua fé, e que essa fé deve ser demonstrada com uma espécie de generosidade para com a igreja com que ele, fiel, frequenta.

Caro leitor, a boa notícia disto tudo é que parece que os evangélicos definitivamente acordaram discordando da venda de indulgências modernas protagonizada por Silas e Murdock.

Diante de tudo aquilo que vi no Haiti fico a pensar no que este dinheiro poderia fazer na economia haitiana. Quantas escolas poderiam ser recontruidas, quantas casas edificadas, quantas familias abençoadas, quantos orfanatos sustentados?

Ah! Mais isso não interessa não é verdade?

Dias dificieis os nossos!

Anúncios

Sobre ibrpe

De bem com a vida.
Esse post foi publicado em Notícias. Bookmark o link permanente.